Reunião sobre «Forte de Peniche – Defesa da Memória, Resistência e Luta».

reuniao ex presos peniche 3 sO respeito pela Fortaleza de Peniche como um todo que junte o lugar especial de memória de resistência e luta antifascista e a componente histórica multicentenária, bem como a integração na cultura e património da cidade e região de Peniche, foi reafirmado, dia 26 de Janeiro, em Lisboa, numa reunião dos promotores da petição «Forte de Peniche - Defesa da Memória, Resistência e Luta».

 

Na reunião, promovida pela URAP, que juntou cerca de oito dezenas de ex-presos políticos em Peniche, familiares e amigos de outros presos e democratas de diversos quadrantes, foi defendido igualmente a preservação do património edificado, constituído por três blocos e o afastamento de qualquer projecto de exploração hoteleira que é incompatível com a memória histórica do lugar.

 

Finalmente, os participantes consideraram que, de forma faseada, se instale no Forte de Peniche um verdadeiro Museu da Resistência e da Liberdade, dando prioridade à construção, já aprovada em executivo camarário, por razões de impacte e simbolismo, ao ar livre e na zona central e frontal aos pavilhões, de um Memorial com os nomes dos cerca de 2500 antifascistas que estiveram presos nesta cadeia.

 

Após um balanço da actividade desenvolvida - a entrega das assinaturas da petição; a resposta do Ministro da Cultura; a reunião com a Presidência e com a Comissão de Cultura da Assembleia da Republica; e outras diligências e contactos, os presentes afirmaram "continuar a bater-se para que se cumpram as justas expectativas criadas e a apoiar as iniciativas e acções agregadas em torno da ideia comum ´Forte de Peniche – Defesa da memória, Resistência e Luta´".

 

Ver comunicado