Núcleo de Almada da URAP comemora a Implantação da República

Actividade > Notícias 

implantao_republicaRealizou-se em Almada, no Fórum Municipal Romeu Correia, no passado dia 4 de Outubro, uma Sessão Evocativa dos 97 anos da Implantação da República, que tanto nesta cidade como em Loures se antecipou de um dia à proclamação em Lisboa da queda da Monarquia no dia 5 de Outubro de 1910.

Intervenção de Aurélio Santos

A cerimónia iniciou-se às 21 h com o içar da bandeira da Cidade nos mastros da Praça da Liberdade, bandeira que substituiu a Bandeira Nacional, já que a lei proíbe ultimamente que esta seja hasteada depois do sol-posto. Ao toque de três clarins dos Bombeiros Voluntários de Almada, os nossos Soldados da Paz começaram por prestar homenagem a todos os que morreram pela Liberdade, com o toque a silêncio, seguindo-se o toque de alvorada apelando a todos que se levantem e continuem a luta. Por fim executaram o toque avante marche lembrando que o tempo é de luta e que a batalha pelos direitos humanos e sociais continua.

Foi um momento emocionante, calorosamente aplaudido pelas dezenas de pessoas presentes na cerimónia. A bandeira foi hasteada pelo Vereador da Câmara, António Matos e pelo médico António Iria Revez, um dos muitos resistentes antifascistas do Concelho, que passou 5 anos e 3 meses nos calabouços da PIDE. A ladeá-los estavam os representantes da Comissão Organizadora, constituída pela URAP, a Associação Amigos da Cidade e as Escolas do Desportivo e representantes do Movimento Associativo.

A Sessão Evocativa continuou depois na Sala Pablo Neruda do Fórum Municipal, iniciando-se com um momento cultural de poemas e canções, pelo actor Fernando Jorge e pelo cantor de intervenção Francisco Naia. Seguiram-se as intervenções evocando o 4 de Outubro, o Movimento Associativo, o papel histórico das autarquias no processo republicano e democrático e o alerta da URAP sobre o que foi a traição republicana e o que é hoje a traição ao 25 de Abril e à Constituição da República Portuguesa. Tomaram a palavra respectivamente, o historiador António Malta, o Capitão de Abril António Meyrelles, o deputado Bruno Dias e, porque Aurélio Santos, Coordenador da URAP, se encontrava doente e não pôde comparecer, a sua intervenção foi lida pelo moderador da sessão, Mário Araújo, membro do Conselho Directivo da URAP.

A sessão terminou ao som da Portuguesa, cantada pelas cerca de 70 pessoas presentes nesta Cerimónia Evocativa.