Marcos Ana recebido na sede da URAP

Actividade > Notícias           

marcos_anaO resistente antifascista espanhol Marcos Ana, pseudónimo de Fernando Macarro Castillo, foi recebido na sede da União de Resistentes Antifascistas Portugueses (URAP) no dia 27 de Maio, por ocasião da sua presença em Portugal para o lançamento da sua obra Digam-me como é uma árvore. Dos cárceres franquistas à liberdade.

dsc03148Presentes estiveram o coordenador do Conselho Directivo da URAP, Aurélio Santos, e os membros do Conselho Directivo, Encarnação Raminho, Marília Villaverde Cabral, Ana Pato e David Pereira. Assinalando a luta comum dos dois povos ibéricos pela libertação do jugo fascista e dando nota de alguns dos traços mais marcantes da história da URAP, Aurélio Santos referiu as raízes da URAP presentes na acção da Comissão Nacional de Socorro aos Presos Políticos, da composição dos actuais órgãos sociais da URAP e das suas relações internacionais, designadamente a filiação na Federação Internacional de Resistentes (FIR) e o contacto com outras associações congéneres na Europa.

dsc03149Por sua vez Marcos Ana corroborou esse traço de unidade na luta antifascista entre Portugal e Espanha como tendo sido várias vezes assinalado no percurso dos dois povos na busca da Liberdade e da Democracia e lembrou como Álvaro Cunhal, nos anos de 1960, lhe havia afirmado num encontro ser muito importante a constituição de comités únicos pela amnistia dos presos políticos em Portugal e Espanha, o que se veio a demonstrar plenamente acertado. Também acentuou o papel que a juventude nos dois países podia desempenhar na continuação desse trabalho para que não mais fosse possível o regresso a esses tempos tenebrosos e impedindo qualquer veleidade de reescrita ou deturpação da verdade histórica em Portugal e em Espanha. Sobre essa questão recordou também como desempenhara por mais de três décadas o cargo de vice-presidente da FIR.

dsc03144O coordenador Aurélio Santos tomou em seguida o uso da palavra para dar conta da actividade da URAP nestes primeiros meses de 2009, realçando: a realização da Assembleia-Geral com a presença de várias dezenas de sócios; a visita guiada de quarenta portugueses a Cabo Verde, com presença e homenagem no Campo de Concentração do Tarrafal na Ilha de Santiago aos antifascistas portugueses assassinados naquele Campo da Morte Lenta pelo fascismo; a prossecução das actividades de recolha documental e de depoimentos orais no quadro do protocolo assinado com a Câmara Municipal de Peniche, assunto que foi depois desenvolvido por David Pereira. Sobre as relações internacionais, tanto Ana Pato como Marília Villaverde Cabral realçaram mais alguns aspectos relativos à presença de delegações da URAP no Congresso da FIR e no Encontro Internacional da Juventude. Já Encarnação Raminho referiu as dezenas de deslocações a escolas dos diferentes graus de ensino visitadas por dirigentes e sócios da URAP por intermédio dos seus núcleos em vários pontos do País.

capa_avore_webDepois da apresentação dos diversos espaços que compõem a sede da URAP a Marcos Ana, os membros do Conselho Directivo renovaram os votos de continuação da luta pela preservação da memória da resistência ao fascismo nos dois países e do reforço dos laços comuns das associações espanholas com a URAP, num quadro de plena colaboração e empenho.