Faleceu Aida Magro

aida_magro.jpgAida Magro, muito jovem ainda, aderiu ao Partido Comunista Português, tendo-se destacado na luta pelos direitos das mulheres e na solidariedade antifascista.
Participou na actividade da Comissão Nacional de Socorro aos Presos Políticos. Tendo passado à clandestinidade, foi presa  pela Pide em 1957. Sujeita a interrogatórios e isolamento durante seis meses, foi julgada em 1958
e condenada a dois anos e meio de pena maior. Saiu da prisão de Caxias só ao fim de seis anos, por lhe terem sido aplicadas medidas de segurança.
De Aida Magro fica um grande exemplo de coragem, de dedicação à luta pela Liberdade, pela Democracia, por um País melhor.