Parar a escalada de guerra no Médio Oriente!

A URAP é subscritora da  tomada de posição:

guerra_.jpgParar a escalada de guerra no Médio Oriente!

«É com grande preocupação que constatamos que, após mais de meio ano de incessantes bombardeamentos da NATO à Líbia, que causaram dezenas de milhar de mortos e feridos e a destruição de grande parte deste país, os EUA e os seus aliados se lançam noutra operação de declarada ingerência e agressão, agora contra a Síria.

Independentemente da posição que se possa ter quanto ao regime sírio, o que está em causa e não podemos deixar de denunciar e rejeitar é que, tal como aconteceu com a Líbia, se instrumentalizam e alimentam questões internas, dificuldades e contradições de um país com o fim de promover a desestabilização, o conflito, o bloqueio económico e político, e ameaçando também de agressão militar directa, intuitos acompanhados por uma intensa operação de desinformação e de tentativa de instrumentalização das Nações Unidas e suas agência, de modo a justificar inaceitáveis propósitos belicistas, com o seu lastro de morte e destruição.

Aqueles que impuseram a guerra na Jugoslávia, no Afeganistão e no Iraque e que aí são responsáveis e cúmplices de violações dos direitos humanos e dos povos, clamam hipocritamente pelo seu respeito, acenando de novo com a barbárie de nova guerra que terá agora como principal vítima o povo sírio, as suas legítimas aspirações e os seus direitos de soberania, políticos, económicos e sociais.

É contra os países que assumem posições que contrariam os propósitos imperialistas nesta região e que aí enfrentam e rejeitam a política de Israel - que ocupa ilegalmente territórios da Palestina, do Líbano e da Síria - que os EUA e os seus aliados levam a cabo uma perigosa escalada de ingerência e guerra.

Escalada de guerra que é contrária às aspirações e interesses de todos os povos do Médio Oriente e que, a não ser travada, constituirá uma potencial catástrofe de grandes proporções para toda a humanidade , porque a guerra só trará sofrimento, destruição e o agravamento da situação na Síria e em todo o Médio Oriente, com consequências de latitude imprevisível.

Apelamos ao fim da ingerência e da escalada de agressão contra a Síria, ao respeito pela soberania do seu povo e pela independência e integridade territorial deste país (incluindo os Montes Golã, ilegalmente ocupados por Israel);

Reclamamos do Governo português o fim da sua política de apoio à escalada de tensão e de conflito no Médio Oriente e, pelo contrário, uma atitude consentânea com a Constituição da República - que preconiza a solução pacífica dos conflitos internacionais e a não ingerência nos assuntos internos dos outros Estados - e a Carta das Nações Unidas.»

 

As Organizações signatárias:

 

- A Voz do Operário;

- Associação de Amizade Portugal-Cuba;

- Associação de Estudantes da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa;

- Associação dos Agricultores do Distrito de Lisboa;

- Associação Iuri Gagarin;

- Associação Projecto Ruído;

- Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses - Intersindical Nacional;

- Confederação Nacional de reformados Pensionistas e Idosos - MURPI

- Conselho Português para a Paz e Cooperação;

- Ecolojovem - "Os Verdes";

- Federação dos Sindicatos da Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal;

- Federação Portuguesa dos Sindicatos do Comércio, Escritórios e Serviços;

- Federação Nacional de Professores;

- Fiequimetal;

- Interjovem;

- Juventude Comunista Portuguesa;

- Movimento Democrático de Mulheres;

- Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal;

- União dos Resistentes Antifascistas Portugueses;

- União dos Sindicatos de Aveiro;

- União dos Sindicatos de Lisboa;

(...)