Festival Mundial da Juventude e dos Estudantes foi marcado

O 18º Festival Mundial da Juventude e dos Estudantes está aí! Todos ao Equador!


Realizou-se nos passados dias 26 e 27 de Março a primeira reunião internacional preparatória do 18º Festival Mundial da Juventude e dos Estudantes (FMJE). A reunião, que aconteceu na cidade de Pretória – África do Sul (país que recebeu a última edição do festival, em 2010) – decidiu o lançamento da 18ª edição deste Festival, que ocorrerá de 6 a 13 de Dezembro de 2013 no Equador sob o lema “A Juventude unida contra o Imperialismo, por um mundo de paz, solidariedade e transformação social”.


O FMJE tem sido, ao longo das suas 17 edições, desde 1965, o maior acontecimento mundial de encontro da juventude na sua luta contra o Imperialismo. Nas passadas edições, foram dezenas de milhares os jovens que, oriundos de mais de 100 países em todos os continentes, demonstraram que a Juventude não aceita o Imperialismo e as suas expressões que afectam os jovens e os povos do mundo – a guerra, a ocupação, as ingerências e ataques à soberania dos países, os ataques aos direitos dos trabalhadores, o desemprego, a precaridade e a exploração, a elitização da Educação e a sua privatização, as barreiras no acesso à cultura, ao desporto, à habitação, a falta de condições de vida dignas para a juventude e para os povos.



É contra o Imperialismo que se posiciona de novo este Festival, que ocorre numa região do globo em que diversos países estão a realizar importantes processos emancipatórios de libertação nacional e progresso social, pondo em causa o domínio hegemónico do Imperialismo. No Equador, bem como noutros países latino-americanos, os trabalhadores, o povo e a juventude estão a tomar nas suas mãos os destinos das suas vidas, a realizar políticas progressistas e de carácter anti-imperialista. Este Festival será também uma oportunidade para trocar experiências entre realidades muito diferentes dos vários países, onde poderemos aprender nomeadamente com as importantes transformações sociais em curso no Equador e na América Latina, sendo ainda uma demonstração internacional de solidariedade para com esses processos.


Num momento em que o Imperialismo manifesta as suas piores características, atacando os direitos da Juventude e promovendo a guerra em novas escalas, num momento em que procuram agravar o retrocesso social por todo o mundo, é de particular importância a troca de experiências, a discussão, a solidariedade e a unidade anti-imperialista, para aprofundar em cada país a luta pelos direitos da Juventude.


Em Portugal, assim como em todos os países, será formado um Comité Nacional Preparatório do FMJE, composto pelas mais variadas expressões do movimento juvenil português – desde Associações de Estudantes, associações recreativas, culturais, juvenis, grupos informais de jovens, estruturas sindicais juvenis, grupos desportivos etc… - que procurará levar o Festival e os seus valores à Juventude portuguesa, articulando-os com as especificidades nacionais, aprofundando a luta pelos direitos da juventude e pelos valores de Abril. O CNP irá também organizar uma delegação portuguesa ao Festival, com o objectivo de levar ao Equador a realidade e a luta da juventude portuguesa e trazer de lá um reforçado ânimo para a luta!


A reunião realizada na África do Sul foi o grande “pontapé de saída” deste Festival. Nela foram aprovados, além do lema e das datas, um Apelo à Juventude mundial e os principais traços que caracterizarão o 18º FMJE. Terminou com a sessão de “entrega da bandeira”, em que o país que recebeu o último FMJE (neste caso a África do Sul) entrega a “bandeira” do Festival ao próximo país acolhedor. Nesta reunião e na cerimónia que lhe seguiu, ficou patente a confiança de que este Festival será mais uma vez um grande acontecimento que contribuirá para a derrota do Imperialismo.


A Juventude portuguesa está convidada! De 6 a 13 de Dezembro, todos os caminhos da luta da juventude vão dar ao Equador, onde vamos demonstrar com toda a confiança “A Juventude unida contra o Imperialismo, por um mundo de paz, solidariedade e transformação social”!