77º aniversário da Revolta dos Marinheiros comemorado em Almada

monumento marinheiro insubmissoAs comemorações do 77º aniversário da "Revolta dos Marinheiros" decorreram, dia 14 de Setembro, no Centro Cívico do Feijó, em Almada, junto ao monumento do "Marinheiro Insubmisso" e contaram com a participação de diversas entidades civis e militares dos vários ramos das Forças Armadas. Na cerimónia esteve também representada a URAP, através de Bento Luís, membro dos corpos sociais da associação.

A "Revolta dos Marinheiros" aconteceu na noite de 8 de Setembro de 1936, culminando um intenso trabalho de agitação e manifestações contra as arbitrariedades e a repressão fascista, pela defesa de direitos e pela melhoria do rancho.


Um significativo número de marinheiros, membros da Organização Revolucionária da Armada (ORA) iniciou a acção apossando-se dos navios «Dão», «Afonso de Albuquerque» e «Bartolomeu Dias», onde tinha uma maior expressão.

O objectivo era fazer um ultimato ao governo de Salazar, tendo ao seu dispor o potencial de fogo próprio dos navios, que entretanto deveriam ser postos a salvo fora da barra.
A revolta, ao fim de algumas horas, foi sufocada. O governo fascista, tendo conhecido antecipadamente o que estava em preparação, teve tempo para tomar as medidas de resposta à revolta, prendeu os marinheiros revoltosos e enviou muitos deles para o Campo de Concentração do Tarrafal.

Na cerimónia falaram os presidentes da Associação de Praças da Armada e da Assembleia Municipal de Almada para enaltecer o acto revolucionário dos marinheiros que teve tão trágicas consequências: privação da liberdade e nalguns casos da própria vida.

No final da sessão foram depostas coroas de flores junto ao monumento ao "Marinheiro Insubmisso" e actuou a Fanfarra do Corpo de Fuzileiros. Seguiu-se um almoço comemorativo ao som da Banda da Armada.