Comemorações do 25 de Abril: Mafra elabora exposição e sessão solene

 

mafra 2A frontaria do Convento de Mafra foi o cenário de uma exposição organizada no âmbito das comemorações dos 40 anos do 25 de Abril pelo Movimento Unitário de Democratas e Antifascistas de Mafra (MUDAM) em colaboração com a URAP.

A exposição, patente a 05 de Abril, foi seguida de uma sessão comemorativa da efeméride no auditório Beatriz Costa, onde foram evocados e homenageados os cidadãos do concelho de Mafra que, no passado, lutaram contra a ditadura fascista, sofreram e resistiram nas cadeias, e depois da revolução contribuíram para a instauração de um regime livre e democrático.


A mostra, vista por vasto público, continha imagens do 25 Abril, cedidas pela URAP, e de Mafra, da época, evocando a adesão da população ao levantamento militar do Movimento das Forças Armadas e ao derrube do fascismo.

mafra 1No auditório Beatriz Costa, o MUDAM evocou Afonso de Medeiros, António Joaquim dos Reis, Carlos Cardosa, Carlos Simões, Carlos Vidal, Cassiano Ferreira, Herlânder Mota, Ismael Nabais Gonçalves, Jaime Correia, Joaquim Afonso Delgado, José Borges da Silva, José Filipe Teixeira, Mário Caracol, Mauro Pena, Miguel Medeiros, e Sanches de Brito.

Entre os oradores contam-se a poetisa Licínia Quitério que se referiu ao "tempo de chumbo", relatando a prisão de seu tio e amigos. Ismael Gonçalves, que falou em nome dos homenageados, ex-prelado no concelho de Mafra, preso em Fevereiro de 1974 na cadeia de Caxias, quando pertencia ao movimento de católicos progressistas, juntamente com o Padre Felicidade Alves.

Em representação da URAP usou da palavra Eugénio Ruivo que evocou o trabalho infantil durante o fascismo, as prisões a que fora submetido pela PIDE, destacando a sua vivência na noite do 25 Abril com a descrição dos factos ocorridos antes da libertação de todos os presos políticos.

O presidente da Junta de Freguesia de Igreja Nova, Domingos Janota, criticou a situação actual do país e o vereador Rogério Costa contou porque surgiu o MUDAM, qual o seu significado, e fez um paralelo entre a actual politica do governo PSD/CDS, que atua contra os valores de Abril, e a situação que se vivia antes do 25 de Abril.

Durante a sessão foi projectado um vídeo, feito para a ocasião, no qual se pretendeu ilustrar a passagem da ditadura para a liberdade.

mafra 3No final da sessão surgiu da assistência, de cerca de 200 pessoas, um grupo de jovens que de forma alternada foi descrevendo parte dos noticiários dados pela rádio na madrugada do 25 Abril, ao som do hino do Movimento das Forças Armadas. Os jovens subiram ao palco para onde, simbolicamente, lançaram terra, semeando-a e fazendo surgir cravos de Abril ao som de Grândola Vila Morena. Este momento teatral foi orientado por Daniela Simões.

Rogério Costa apelou ainda a todos os presentes para participarem no descerramento da Lápide em homenagem aos antifascistas colocada no Jardim das Camélias, em Mafra.