40º aniversário do 25 de Abril: CURPISIA ocnvida URAP para sessão em Santa Iria da Azóia

CURPISIA debateAs tradições antifascistas e democráticas de Santa Iria de Azóia, as conquitas do 25 de Abril e a situação de retrocesso que se vive em Portugal actualmente devido às políticas levadas a cabo nos últimos anos, foram alguns dos factores apresentados por Bento Luís, o orador convidado para uma sessão-debate alusiva ao tema "Comemorar Abril, hoje".

A sessão, que se realizou dia 17 de Abril, foi convocada pela CURPISIA (Comissão Unitária de Reformados, Pensionistas e Idosos de Santa Iria de Azóia) e teve como oradores Francisco Catarro, vogal da direcção da organização, Luís Figueiredo, coordenador do núcleo local da URAP e Bento Luís dos corpos sociais da URAP.

Bento Luís salientou a necessidade de se resistir para se retomar os valores de Abril, o que só se conseguirá se o povo português quiser usar a liberdade para castigar os responsáveis confiando o seu voto a quem tem lutado contra a política actual. Todavia, referiu, não se pode perder de vista que as alterações necessárias serão o fruto da luta conjugada de todos os que se lhe opõem.

O orador convidado referiu a sua já antiga ligação emocional a Santa Iria de Azóia, fruto das relações de amizade que mantem com algumas pessoas e à sua actividade profissional e política. Falou ainda da sua experiência prolongada na luta antifascista, antes e após o 25 de Abril, designadamente a acção enquanto jovem trabalhador no Movimento de Juventude Trabalhadora e na actividade sindical durante a ditadura.

Contou a sua actividade na oposição legal ao regime, no MDP/CDE, e a vasta actividade cultural em colectividades da sua zona (Vila Franca de Xira) que realizou, acrescentando que durante a guerra colonial envolveu-se em actividades de denúncia e teve contactos com militares que viriam a envolver-se nas acções que levaram ao derrube do regime fascista.

Luís Figueiredo, por seu lado, quis explicar por que é que o núcleo de Santa Iria se associava à sessão, destacando a colaboração existente, ao mesmo tempo que saudou a direcção da CURPISIA pela adesão às comemorações dos 40 anos de Abril.

A sessão foi aberta por Francisco Catarro que deu as boas-vindas aos presentes e convidados e teceu alguns comentários sobre a data em comemoração e sublinhou que o 25 de Abril deve ser exercido todos os dias, pois essa é a melhor forma de o defender.