Um dia na fortaleza de Peniche: Visita ao forte, lançamento de livro e descerramento de lápide

40anos libertacao presos peniche lapide sO autocarro saiu lotado às 14:00 com destino a Peniche. Levava Ana Aranha, a autora do livro "No Limite da Dor", convidados da jornalista, quase todos personagens, e da editora Parsifal e uma pequena delegação da URAP que incluía a coordenadora Marília Villaverde Cabral.

Em Peniche mais pessoas o esperavam, nomeadamente Domingos Abrantes que faria uma visita guiada ao Forte de Peniche, contando aspectos da vida prisional e detendo-se no relato da fuga de António Dias Lourenço, que se atirou ao mar.


Pelas 17:00 do dia 27 de Abril, o dia em que 40 anos antes foram libertados os presos em Peniche, começou a cerimónia do lançamento do livro na capela do Forte, que foi pequena para ouvir Ana Aranha, o presidente da Câmara de Peniche, António José Correia, e o responsável pela editora.

O livro, que tem Carlos Adenar como co-autor, compila a série de programas com testemunhos de vários ex-presos políticos que foram torturados pela PIDE e submetidos a todo o tipo de torturas, iniciado a 04 de Janeiro último por Ana Aranha na Antena 1.

Antes do regresso a Lisboa, a homenagem ao 27 de Abril de 1974: o descerramento de uma lápide que perpetua a libertação dos presos. Muitos deles, de diversas origens e quadrantes políticos usaram da palavra. Um destaque para José Pedro Soares, da direcção da URAP, que foi preso quando muito jovem e brutalmente torturado.