URAP participa em itinerário do MDM sobre conquistas e direitos da mulher no pós 25 de Abril

mdm roteiro 2Durante o ano de 2014, o Movimento Democráticos de Mulheres (MDM) percorre itinerários do 25 de Abril de 1974 na óptica das conquistas e direitos das mulheres, no último dos quais participou a coordenadora da URAP, Marília Villaverde Cabral.

O itinerário de dia 28 de Junho foi guiado pela historiadora Filomena Ribeiro e para além da intervenção da coordenadora da URAP falou ainda o Comandante Henrique Mendonça, em representação da Associação Conquistas da Revolução.


Com início no Largo do Carmo, passou pelo Teatro Trindade, junto ao local onde Eça de Queiroz, Antero de Quental e Ramalho Ortigão realizavam "As Conversas de Casino", antiga sede da PIDE na António Maria Cardoso, Terreiro do Paço e terminou com um convívio na Casa do Alentejo.


mdm roteiro mariliaNa sua alocução, na António Maria Cardoso, Marília Villaverde Cabral lembrou os esforços que a URAP fez para que aquele local não se transformasse num condomínio de luxo em vez de num museu que lembrasse os interrogatórios e as torturas por que passaram os presos políticos durante a ditadura.


"Se pensavam que assim apagariam o que foi o fascismo em Portugal e o que foi a Resistência, enganaram-se. E a prova é estarmos aqui hoje a afirmar que lutaremos contra o esquecimento e que continuaremos nesta luta para que as novas gerações que, felizmente, não viveram esses tempos negros do fascismo, saibam que em Portugal houve sempre quem não se rendesse perante um país onde havia fome, onde havia guerra, onde não havia Liberdade", disse a coordenadora da URAP.

Marília Villaverde Cabral sublinhou também: "Hoje estamos aqui a lembrar tempos negros, tempos terríveis que o poeta Alexandre O' Neill caracterizou e que ilustra bem o medo com que se vivia

Ah o medo vai ter tudo
Tudo
Penso no que o medo vai ter
E tenho medo
Que é justamente
O que o medo quer".


mdm roteiro 1A propósito e referindo-se principalmente às mulheres afirmou que "apesar do medo, resistia-se e permitam-me que lembre aqui Aida da Conceição Paulo, Aida Magro, Albertina Diogo, Albina Fernandes, Casimira da Conceição Silva, Conceição Matos, Gina Azevedo, Isaura da Conceição Silva, Maria Custódia Chibante, Eugénia Varela Gomes, Maria Lourença Cabecinha, Maria Luísa Cabral, Maria Machado, Maria Rosa Viseu, Olímpia Braz, Sofia Ferreira. São mulheres que resistiram ao medo e que fizeram com que pudéssemos estar hoje aqui a celebrar o 25 de Abril e as suas conquistas".