"Catarina Eufémia – Militante Comunista, Mulher de Abril, Companheira de Luta", de José Casanova, lançado em Almada

apresentacao livro catarina eufemia jcasanova 1O livro "Catarina Eufémia – Militante Comunista, Mulher de Abril, Companheira de Luta", de José Casanova, foi lançado em Almada, com apresentação de Luísa Ramos.

Com a Sala Pablo Neruda do Fórum Romeu Correia cheia coube a Mário Araújo apresentar a iniciativa em que para além do autor falaram os resistentes antifascistas António Gervásio e Américo Leal.
José Casanova destacou o valor do exemplo de Catarina Eufémia, como mulher que, como tantas outras, assumiu a luta em defesa dos direitos dos trabalhadores, enfrentando a violência terrorista da repressão fascista.
O autor sublinhou ainda a importância social, à época e ainda hoje, do exemplo de Catarina Eufémia, da sua luta, do seu heroísmo e sacrifício, cuja história se espalhou por todo o país, contada de boca em boca, mobilizando em seu torno a resistência antifascista.



O livro desmascara também as tentativas de censura da verdade por parte do fascismo e de mistificação no pós-25 de Abril, procurando limpar a face de um regime terrorista e ao mesmo tempo diminuir a actividade política de Catarina Eufémia, colocando em causa a sua militância comunista, a força da luta e resistência antifascista no Alentejo e a sua organização.

apresentacao livro catarina eufemia jcasanova 2António Gervásio, dirigente da resistência antifascista, falou da vontade do povo de fazer justiça pelas suas próprias mãos no caso de Catarina Eufémia, da forma como se inspirou no seu exemplo para alargar e desenvolver uma intensa campanha de resistência antifascista que teria resultados concretos, nos anos subsequentes, com a conquistas do horário de trabalho das oito horas e, no pós 25 de Abril, com a Reforma Agrária.



apresentacao livro catarina eufemia jcasanova 3A encerrar a sessão, que se realizou dia 12 de Julho, Américo Leal, dirigente da resistência antifascista, reforçou a ideia da luta antifascista como um elemento permanente e de crescente actualidade, que se deve inspirar nos exemplos de resistentes como Catarina Eufémia e afirmar como valor fundamental nos dias de hoje, em que nos procuram empurrar de volta aos tempos tenebrosos do fascismo.