URAP comemorou 40 anos de vida na luta contra o fascismo, pela democracia e a liberdade

aniv urap 40 anos 3O percurso da URAP ao longo dos 40 anos da sua existência foi lembrado dia 30 de Abril num almoço de comemoração no restaurante "A Valenciana", em Lisboa, onde participaram 45 sócios e simpatizantes da organização, herdeira da Comissão Nacional de Socorro aos Presos Políticos.


"Lembramos vários nomes que não queremos que a História esqueça (...): Alcina Bastos, Armindo Guimarães, Augusto Velês, Cecília Areosa Feio, Eugénia Varela Gomes, Faria Borda, Francisco Miguel, Manuel Alpedrinha, Maria das Dores Cabrita, Piteira Santos, Ramon de la Féria, Sá Marques, Salvador Amália e tantos outros que ajudaram a fundar a URAP", afirmou na sua intervenção Marília Villaverde Cabral.

 


aniv urap 40 anos 2A coordenadora da URAP recordou momentos altos da actuação da organização, nomeadamente a adesão à FIR – Federação Internacional de Resistentes, em resultado dos contactos internacionais que manteve e a trasladação dos restos mortais dos antigos presos do Tarrafal para Lisboa.
"Quem assistiu ao cortejo fúnebre em 12 de Fevereiro de 1978 e acompanhou as suas urnas até ao cemitério do Alto de S. João, não poderá esquecer, nunca mais, aquele dia em que, debaixo de uma chuva intensa, mais de 200.000 pessoas desfilaram comovidas: o Povo, enfim livre, homenageava os seus heróis", disse.


Ao enumerar outras actividades levadas a cabo pela URAP nestes 40 anos, Marília Villaverde Cabral referiu a luta contra a abertura de um pseudo Museu de Salazar, em Santa Comba Dão, e um Encontro Internacional, em Junho de 2008, sob o lema "A Democracia Face ao Branqueamento e Reabilitação do Fascismo", com a presença do Presidente da FIR, o grande resistente belga Michel Vanderborght.


aniv urap 40 anos 1"Foi também de grande importância, em 2009, a visita guiada de 40 antifascistas organizada pela URAP ao Tarrafal, onde homenagearam, os 32 heróicos combatentes assassinados pelo fascismo, junto às suas lápides, naquele campo de concentração. Visita que coincidiu com o Simpósio Internacional, no qual a URAP também participou, a convite do primeiro-ministro de Cabo Verde", lembrou.


A URAP esteve presente nas comemorações dos 40 anos do 25 de Abril e dos 70 anos do fim da II Guerra Mundial, em que com a Tocha da FIR, percorreu o país de Norte a Sul, ao mesmo tempo que integra anualmente "O Combóio dos 1.000", viagem organizada pela FIR em colaboração com a Organização dos Veteranos da Bélgica e a Fundação Auschwitz, na qual 1.000 jovens de toda a Europa visitam o Campo de Concentração de Auschwitz.


Ponto central da actividade da URAP é o contacto com os jovens para lhes contar como os portugueses viviam e lutavam nos 48 anos de fascismo, como ocorreu a revolução do 25 de Abril de 1974 e estes 42 anos de conquistas e desaires e, principalmente, o que se espera deles como continuadores da democracia e da liberdade em Portugal.