URAP evoca os 80 anos do início da Guerra Civil de Espanha

guerra civil espanha 2016 3"Comunistas, socialistas, anarquistas, republicanos, homens de distintas cores, de ideologias diferentes, de religiões antagónicas, mas que amam profundamente a liberdade e a justiça, vieram oferecer-se à nossa causa, incondicionalmente. Deram-nos: a sua juventude, maturidade ou experiência; o seu sangue e a sua vida, as suas esperanças e aspirações... E nada nos pediram. Ou melhor, sim: queriam um lugar na luta, desejavam a honra de morrer por nós. Bandeiras de Espanha! Saudai tantos heróis e inclinai-vos ante tantos mártires!"
In "Mensagem de despedida aos voluntários das Brigadas Internacionais", Dolores Ibarruri, 01 de Novembro de 1938


A URAP evocou, sábado, dia 10 de Dezembro, os 80 anos sobre o início da Guerra Civil de Espanha (18 de Julho de 1936/01 de Abril de 1939), numa sessão realizada em Lisboa.


guerra civil espanha 2016 4Com o anfiteatro do Museu da República e Resistência cheio, coube à coordenadora da URAP, Marília Villaverde Cabral, abrir a sessão na qual recordou o conflito bélico por parte de um sector do exército contra o governo da II República Espanhola, que levou à instauração do regime fascista do general Francisco Franco.


A intervenção principal esteve a cargo de Domingos Abrantes, dirigente do Partido Comunista e actual Conselheiro de Estado, que enquadrou a Guerra de Espanha no período histórico que se vivia.


guerra civil espanha 2016 2Em Espanha, durante mais de três anos travaram-se batalhas em todas as regiões entre nacionalistas e milícias populares republicanas, constituídas por espanhóis e revolucionários, voluntários das Brigadas Internacionais (combateram em Espanha mais de 40 mil brigadistas, entre os quais portugueses), que fizeram com que o conflito assumisse um carácter ideológico e revolucionário, até à queda de Madrid em 01 d e Abril de 1939.


Cerca de 500 mil espanhóis e 10 mil voluntários brigadistas perderam a vida no conflito.


guerra civil espanha 2016 1Na sessão foram ditos poemas por Débora Maria Santos. De Carlos Drummond de Andrade ouviu-se "Notícias de Espanha" e de Miguel Torga "Não Passarão", enquanto Samuel, acompanhado por Nuno Tavares, entoavam canções da resistência.