Alexandre Cabral (1917-1996): Vida e Obra de um Resistente

alexandre cabral"Memórias de um Resistente" é o título de uma exposição patente na Biblioteca Nacional, em Lisboa, entre 8 de Julho e 21 de Outubro, que visa homenagear o escritor, novelista e investigador Alexandre Cabral (1917-1996) no centenário do seu nascimento.


Com este propósito, a URAP vai realizar em Outubro próximo uma sessão para lembrar Alexandre Cabral igualmente na sua vertente de resistente antifascista, preso político e lutador pela democracia e pela liberdade.


Com vasta obra sobre Camilo Castelo Branco, Alexandre Cabral, pseudónimo literário de José dos Santos Cabral, integrou o movimento neo-realista e escreveu o seu primeiro livro de contos, "O Sol Nascerá um Dia", em 1942.


Imigrante, durante três anos em África, especialmente no Congo, com o também escritor Sidónio Muralha, publica então vários livros sobre a temática africana, como "Contos da Europa e da África" (1947) e "Histórias do Zaire" (1956).

 


"Fonte da Telha (1949)", "Terra Quente" (1953), "Malta Brava" (1955) e "Margem Norte" (1961), são outras das suas obras, algumas ilustradas por artistas como Ribeiro de Pavia, José Dias Coelho, Júlio Pomar, Figueiredo Sobral e Rogério Ribeiro.


Alexandre Cabral escreveu uma obra de teatro, "As Duas Faces" (1959) e iniciou nos anos 60 os estudos camilianos, sob encorajamento de outro grande amigo, Augusto da Costa Dias, então director literário da Portugália Editora, onde Alexandre Cabral começou a publicar os primeiros trabalhos, como "As Polémicas de Camilo", 4 vols. (1962-70). Como estudioso e editor do escritor oitocentista, deixou vastíssima obra de largas dezenas de volumes, incluindo conferências em Portugal e no estrangeiro, que deram origem ao "Dicionário de Camilo Castelo Branco" (1989).


Militante comunista desde a juventude, foi preso três vezes, em 1952, 1963 e 1964 quando regressava de uma viagem a Cuba, de que resultou o livro "Um Português em Cuba" (1969), tendo sido, depois da Revolução de Abril, presidente da Assembleia Geral e presidente da Direcção da Associação de Amizade Portugal – Cuba.


Alexandre Cabral esteve em todas as lutas unitárias do seu tempo, como as candidaturas de Arlindo Vicente e de Humberto Delgado à presidência da República, em 1958, e a Comissão Nacional Promotora do II Congresso Republicano de Aveiro, em 1969.
Participou na fundação da Sociedade Portuguesa de Escritores (SPE), em 1956, pertencendo à primeira direcção, presidida pelo escritor Aquilino Ribeiro. Mais tarde, integrou os primeiros corpos gerentes da Associação Portuguesa de Escritores (APE).

 

Nasceu e morreu em Lisboa, e foi também na capital que frequentou a Faculdade de Letras licenciando-se em Ciências Histórico-Filosóficas.