Núcleo de Santa Iria de Azóia lança "Mulheres da Clandestinidade"

mulheres na clandestinidade santa iria s2O núcleo de Santa Iria de Azóia da URAP e a Associação Promotora do Museu do Neo-Realismo lançaram, dia 4 de Novembro, o livro "Mulheres da Clandestinidade", com a presença da autora Vanessa de Almeida.

 

A sessão, que se realizou em Sta Iria de Azóia, na Sociedade 1º de Agosto, contou ainda com a presença de António Redol, da Associação Promotora do Museu do Neo-Realismo, Faustina Barradas, militante clandestina desde os 16 anos até ao 25 de Abril de 1974, e Marcelo Teixeira, representante da editora Parsifal.

 

Perante quase 40 pessoas, coube a Faustina Barradas relatar com pormenor o seu testemunho de combatente clandestina, falando da importância das mulheres na luta contra o fascismo em todas as vertentes, nomeadamente ao abdicarem de boa parte da vida familiar, como foi o seu caso.