A FIR recorda a Declaração Universal Dos Direitos Humanos das Nações Unidas de 1948

artigo da FIR - Fédération Internationale des Résistants

 

refugees boatNa semana passada, a agência da ONU para refugiados ACNUR informou que quase 70 milhões de pessoas em todo o mundo estão actualmente a fugir da guerra, perseguições e fome. Oitenta e cinco por cento dos refugiados viviam em países de baixos rendimentos. O responsável do ACNUR, Filippo Grandi, apelou às responsabilidades humanitárias dos Estados ricos. "Ninguém se torna um refugiado voluntariamente, mas nós os outros podemos ajudar".

 

A FIR sempre teve a responsabilidade política de ajudar as pessoas que fogem. Por ocasião do Dia Mundial do Refugiado, em 20 de junho de 2018, recordamos a promessa conjunta de todas as forças da coligação anti-Hitler, conforme estabelecido na Declaração Universal dos Direitos Humanos de 1948:

Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento da liberdade, justiça e paz no mundo, ao passo que o desrespeito e desprezo pelos direitos humanos resultaram em actos bárbaros que revoltam a consciência da Humanidade...

 

A ASSEMBLEIA GERAL proclama a presente Declaração Universal dos Direitos Humanos como ideal comum a atingir por todos os povos e todas as nações, a fim de que todos os indivíduos e todos os órgãos da sociedade, tendo esta Declaração sempre em mente, se esforcem, pelo ensino e pela educação, por desenvolver o respeito desses direitos e liberdades e por promover, através de medidas progressistas de ordem nacional e internacional, o seu reconhecimento e a sua aplicação universais e efectivos tanto entre as populações dos próprios Estados membros como entre os povos dos territórios sob a sua jurisdição.

 

Artigo 1º.

Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos. Dotados de razão e de consciência, devem agir uns com os outros no espírito de fraternidade.

Artigo 2º.

Todos podem invocar os direitos e as liberdades proclamados na presente Declaração, sem distinção alguma, nomeadamente de raça, cor, sexo, língua, religião, opinião política ou outra, origem nacional ou social, fortuna, nascimento ou qualquer outra situação.

Artigo 3º.

Todo o indivíduo tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal.

 

Até hoje, esses direitos não são universais e até os governos europeus espezinham esses princípios.

Por exemplo, o ministro italiano do Interior Salvini, que quer introduzir um registo étnico da população, a Hungria com o anunciado internamento dos refugiados ou os "centros de detenção" planeados por vários países europeus no norte da África ou na própria Europa, e os governos bálticos com discriminações contra grupos populacionais russos.

A FIR também exige dos governos europeus a observância dos direitos humanos e uma política de refugiados que não sirva para a expulsão de pessoas ou para o desenvolvimento da "Fortaleza Europa". A FIR exige que as organizações de ajuda da sociedade civil sejam apoiadas no seu trabalho com os refugiados e não sejam criminalizadas.

 

https://www.fir.at/en/2018/06/25/english-fir-recalls-the-united-nations-universal-declaration-of-human-rights-of-1948/