Núcleo de Lisboa da URAP visita Museu do Aljube

aljube lx s2O núcleo da URAP de Lisboa organizou, dia 6 de Abril, uma visita ao Museu do Aljube guiada pelo ex-preso político e membro da organização Adelino Pereira da Silva, encarcerado nos curros desta cadeia durante mais de um ano.
As 23 pessoas presentes, três das quais estudantes universitários, percorreram todos os núcleos museológicos da Exposição Permanente instalados nos Pisos 1-2 e 3.

 

A visita iniciou-se no Piso 0, antigo Parlatório da cadeia e actual espaço para Exposições Temporárias, no qual está patente uma exposição evocativa do Campo de Concentração do Tarrafal, onde perderam a vida 32 resistentes portugueses e alguns patriotas das antigas colónias.

 

aljube lx s3Adelino Pereira da Silva manteve com os visitantes um diálogo sobre os diversos temas, com exemplos concretos de preservação e divulgação da memória histórica, do que foi o período negro do regime fascista, dos modos diversificados de luta e resistência clandestinas, da natureza repressiva e criminosa da polícia política (PVDE-PIDE-DGS).

 

Falou também dos milhares de homens, mulheres e jovens que foram perseguidos, presos, torturados e julgados arbitrariamente pelos Tribunais Militares Especiais e Tribunais Plenários e condenados a milhares de anos de cárcere, dos milhares de famílias destroçadas, dos aspectos marcantes do colonialismo, das lutas de libertação dos povos coloniais e da guerra colonial, da solidariedade para com a sua luta, dos que ficaram pelo caminho vítimas do sistema repressivo da ditadura fascista.

 

Por fim, Adelino P. Silva contou como o levantamento militar dos jovens capitães de Abril levou à Revolução dos Cravos, a 25 de Abril de 1974, e referiu ainda a importância da promulgação da nova Constituição em 1976.