URAP participa nas comemorações do 45º aniversário da Revolução por todo o país

desfile 25A 2019 Lx s1O 45º aniversário do 25 de Abril foi amplamente comemorado pela URAP por todo o país, nomeadamente nos desfiles de Lisboa e Porto.

 

Em Lisboa, o desfile foi grandioso e muito concorrido, com muitos milhares de pessoas a descer em festa a Avenida da Liberdade, e a URAP, que fazia parte da comissão organizadora, desfilou com um pano próprio atrás do qual se viam muitos sócios e amigos da organização.

 

 

 

 

avenidavistageral sNo Rossio, onde terminou a manifestação, o dirigente da URAP Feliciano David encontrava-se no palco de onde foram feitas as intervenções sobre a importância da Revolução dos Cravos, da democracia e da liberdade.

 

No Porto, as comemorações tiveram dois pontos altos: a homenagem aos resistentes antifascistas junto ao edifício da ex-Pide, na rua do Heroísmo, e a participação no desfile na Avenida dos Aliados.

 

 

 

 

desfile 25A 2019 Lx s2Para além da colocação de uma coroa de cravos vermelhos na porta do edifício da ex-Pide, a homenagem aos resistentes contou com a apresentação de Ilda Marques, do núcleo do Porto, e a intervenção de Maria João Antunes, bolseira de Investigação na Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação,
dirigente da Associação dos Bolseiros de Investigação Científica e membro da Direcção da UPP.

 

 

 

 

 

desfile 25A 2019 Lx s4Na primeira fila do desfile encontrava-se a dirigente da URAP Maria José Ribeiro, na qualidade de membro da Comissão Promotora das Comemorações Populares do 25 de Abril, e entre os manifestantes via-se um pano da organização junto do qual se incorporaram elementos do núcleo e outros apoiantes da URAP.

 

Mas para a URAP, as comemorações do 25 de Abril têm sempre como um dos pontos altos as inúmeras sessões realizadas em escolas e colectividades, feitas essencialmente por ex-presos políticos, pois é na juventude que reside o futuro de Portugal, e é necessário que se conte aos mais jovens o que foi a revolução, como era o Portugal do regime fascista, o que se fez para o derrotar e como se constrói a democracia e a liberdade. Para que a memória não se apague.