URAP lança petição contra "Museu Salazar" dirigida à nova legislatura

foto Gageiro quadro salazarPetição à Assembleia da República

Museu Salazar não! Tenha ele os nomes que tiver

 

assinar online a petição aqui:
"Petição de repúdio e exigência de que se trave e abandone a anunciada criação do «Museu Salazar», com esse ou outro nome, em Santa Comba Dão"

 

Os portugueses têm vindo a tomar conhecimento de um projecto denominado "Centro de Interpretação de História e Memória Política da Primeira República e do Estado Novo", projecto que surge, após o anúncio do Presidente da Câmara Municipal de Santa Comba Dão, da criação do Museu Salazar, dito interpretativo do Estado Novo.

 

Tal projecto, levantou uma onda de protesto e indignação. A concretizar-se apenas serviria para desculpabilizar o regime fascista e reabilitar a figura do seu principal mentor e responsável.

 

Misturar figuras da República, democratas, homens de letras e de ciência, com a figura tenebrosa do ditador fascista, cria perplexidade e revolta, pois entre ditadura e liberdade, vítimas e carrascos não pode haver neutralidade.

 

Nesse sentido, a URAP toma a iniciativa de dinamizar uma Petição dirigida à nova Assembleia da República, saída das eleições de 6 de Outubro, onde apela para que se trave e abandone a anunciada criação do «Museu Salazar», com esse ou outro nome, em Santa Comba Dão.

A criação de tal Museu seria um instrumento ao serviço do branqueamento do fascismo e de romagem para os saudosistas do regime que perseguiu, prendeu e torturou milhares de democratas que lutaram pela liberdade.

 

É bem elucidativo o que se passou em 2007, quando amigos e associados da URAP, que participaram numa simples sessão de esclarecimento em Santa Comba Dão, tiveram à sua espera grupos de neofascistas, obrigando a GNR a intervir. A criação do dito Museu seria naquela terra um elemento de desestabilização.


A URAP vai continuar a alertar para os perigos que este projecto encerra e apela a todos os democratas que continuem a manifestar-se contra a concretização de tal projecto.

 

O que o país precisa, é de multiplicar «lugares de memórias democráticas» como o Museu do Aljube, o de Peniche, ou o da sede da Pide no Porto e outros centros académicos e cívicos, onde com veracidade histórica, a população e sobretudo as jovens gerações encontrarão documentos, exposições e outros materiais, como contributos esclarecedores do que foi o fascismo e a resistência.

 

Nesse sentido, apelamos para que assinem, partilhem e divulguem a Petição que a partir de hoje, 26 de Setembro, ficará online e também em papel.

 

25 de Abril, Sempre! Fascismo Nunca Mais!

 

União de Resistentes Antifascistas Portugueses


Lisboa, 26 de Setembro de 2019

 

foto de Eduardo Gageiro