Livro "A PIDE e os seus informadores: o caso de Inácio" apresentado em Aveiro

apresentacao livro informadores PIDE Aveiro 14dez2019 s1António Morais, do núcleo de Aveiro da URAP, apresentou, dia 14 de Dezembro, o livro "A PIDE e os seus informadores: o caso de Inácio", da autoria de Paulo Marques da Silva.


Depois de falar sobre o autor e das linhas gerais do livro, António Morais referiu que as situações de autoritarismo - em que os informadores e os PIDE eram os diligentes aplicadores a mando do regime fascista de Salazar e Caetano - se estão a recuperar nos dias de hoje, nomeadamente nas escolas com a eliminação dos Conselhos Directivos eleitos e a nomeação de directores.


O autor, Paulo Marques da Silva, apresentou minuciosamente o livro, referindo quer o papel dos informadores da altura, quer os diferentes géneros de informadores: os permanentes, os ocasionais, os espontâneos, os por raiva ou ódio, e até mesmo os que queriam trepar na vida.


"Era a eles que cabia a função de alargar a delação a todo o país, pois a cobertura dos postos da PIDE em Lisboa, Porto, Coimbra e nas fronteiras era insuficiente. Só nos anos 60 é que abriram mais postos da PIDE, aliás com o aumento e aprimoramento da luta antifascista", afirmou o escritor.

 

apresentacao livro informadores PIDE Aveiro 14dez2019 s2

O caso de Inácio, contou, ´é interessantíssimo pois tratou-se de um informador - ferroviário chefe de estação que chegou a inspector da CP - que actuou durante 36 anos, o que é caso raro. Actuando sobretudo em Coimbra, mas não deixando de fazer "serviço" noutras localidades próximas como Cantanhede, Águeda, Aveiro, etc, e nos oposicionistas do Porto que faziam ligações a Coimbra´.

 

O autor contou ainda que Inácio ´infiltrava-se em clubes, associações e até organizações criadas e alimentadas pelo fascismo, fazendo relatórios de tudo e, até, dando opinião crítica e discordante sobre esta ou aquela tomada de posição do poder instituído, sobretudo quando verificava a permissão de ocupação de cargos públicos por gente que considerava comunista, dando-se ao luxo de ser mais papista que o papa´.