URAP participou em "Ato Público de Solidariedade com o povo dos EUA! Pela justiça e igualdade social"

Lisboa Martim Moniz s"O racismo não é uma opinião, é um crime, um atentado à democracia e à liberdade", afirmou Francisco Canelas, da direcção da URAP, que representou a organização no "Ato Público de Solidariedade com o povo dos EUA! Pela justiça e igualdade social" promovido pelo Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC).


"O combate ao racismo e à discriminação é imperioso, tanto nos Estados Unidos como em Portugal, e em todos os países do mundo", disse, acrescentando que em Portugal, ao arrepio da Constituição, há muitos casos de violência e racismo por parte de forças policiais, tal como o caso do cidadão norte-americano George Floyd "como foram exemplo as recentes situações na Amadora, em eventos desportivos, a presença de criminosos racistas em programas de ampla audiência e aberta promoção de ideais racistas por parte dos mesmos".

 


Lisboa Francisco Canelas sA sessão realizou-se dia 9 de Junho, na Praça do Martim Moniz, em Lisboa, e nela participaram Filipe Ferreira, do CPPC; André Levy, biólogo e actor que viveu vários anos nos EUA; Paulo Renato, dirigente sindical filho de imigrantes; João Barreiros, do Conselho Nacional da CGTP-IN e Francisco Canelas, da URAP.


No mesmo dia, junto à Casa da Música, no Porto, o "Ato Público de Solidariedade com o povo dos EUA! Pela justiça e igualdade social" foi igualmente um momento de afirmação da solidariedade com o povo norte-americano que luta contra as injustiças, discriminações raciais e sociais e as profundas desigualdades que a pandemia da COVID 19 tornou ainda mais visíveis.

 

 


Porto Casa da MusicaNesta sessão, que foi dirigida por João Rouxinol, dirigente do CPPC, intervieram Ilda Figueiredo, presidente da direcção do CPPC, o jovem Afonso Beirão e o professor e sindicalista Henrique Borges.


Os intervenientes reafirmaram a solidariedade com o povo dos EUA e os povos de todo o mundo que também são vítimas das ingerências, chantagens, bloqueios económicos e ameaças de agressão pela Administração Trump, como acontece na América Latina e no Médio Oriente.