Contra o museu Salazar - jornada de denúncia e esclarecimento em Viseu

Viseu contra museu salazar 12nov19 s3O Núcleo de Viseu-Santa Comba Dão da URAP organizou, dia 13 de Novembro, uma jornada de denúncia e esclarecimento do projecto de criação de um «Museu Salazar» (com este outro nome), com recolha de assinaturas, conferência de imprensa e uma sessão de apresentação do livro «Forte de Peniche, Memória, Resistência e Luta».


Durante toda a manhã foram recolhidas cerca de 400 assinaturas para a Petição, dinamizada pela URAP, e distribuídos centenas de exemplares de um documento explicativo das posições desta organização sobre a pretensão de materializar no Vimieiro um pólo de saudosismo fascista e de revivalismo do regime ilegal e opressor, derrubado pelo 25 de Abril de 1974.

 

 


Viseu contra museu salazar 12nov19 s1A meio-da-tarde decorreu uma conferência de imprensa com a presença de dirigentes nacionais da URAP. Em resposta às perguntas dos jornalistas foi percorrido um roteiro desde a resistência antifascista durante 48 anos no distrito de Viseu até às iniciativas desse dia, passando pelas sucessivas tentativas de criação de um Museu Salazar.

 

 

 

 

 

 


Viseu contra museu salazar 12nov19 s4Ao fim da tarde, no Auditório Mirita Casimiro, foi apresentado o livro «Forte de Peniche, Memória, Resistência e Luta». Foram oradores António Regala, do Conselho Nacional da URAP; Jorge Sarabando, publicista, URAP; António Vilarigues, Núcleo de Viseu-Santa Comba Dão da URAP. No final estabeleceu-se um animado diálogo com a assistência, tendo como pano de fundo os sinais concretos do desenvolvimento de forças fascistas e fascizantes por toda a Europa (e não só) e a afirmação que criar um museu como o anunciado para o Vimieiro não será apenas um depósito do espólio do ditador Salazar, mas um centro de conspiração contra a democracia e o Portugal de Abril.