Plano de actividades para 2009-2010

URAP > Documentos

Plano de actividades para 2009-2010
aprovado na Assembleia Geral de 7 de Fevereiro de 2009

A história recente comprova a importância da existência de uma organização como a URAP, que tem desempenhado um importante papel, lutando contra branqueamento do fascismo, valorizando a luta e intervenção antifascista, denunciando as atitudes e actos fascistas ou fascizantes e intervindo pela defesa das conquistas democráticas de Abril. Neste contexto, o reforço da nossa organização e da sua capacidade para desenvolver mais actividades deverão constituir uma preocupação constante.

Neste sentido o Conselho Directivo propõe um conjunto de objectivos para os próximos dois anos (2009-2010), com vista a dar continuidade ao trabalho desenvolvido.

Decidimos apresentar esse plano em cinco temáticas: organização, actividades, informação, museu da resistência em Peniche e relação com a Federação Internacional da Resistência (FIR) e outras organizações internacionais.

 

  • 1. Organização
  • Convocar dentro de um ano uma Assembleia-Geral da URAP para eleição de um Conselho Nacional, composto por personalidades com participação destacada na história da URAP e na luta antifascista.
  • Realizar uma Assembleia-Geral Extraordinária (início de 2010), para preparação de uma alteração dos estatutos vigentes, no sentido de dar dignidade estatutária ao Conselho Nacional, concretizando a resolução aprovada na Assembleia-Geral de 13 de Julho de 1985 (que já tinha decidido a criação de um Conselho Nacional). Por outro lado, a alteração aos estatutos vigentes também pretende assegurar condições mais eficazes às estruturas e meios de acção da URAP.
  • Criar uma Comissão Coordenadora dos Núcleos da URAP para estimular a coordenação e a troca de experiências entre os núcleos.
  • Apoiar os núcleos existentes e ajudar a criar outros.
  • Promover a actividade própria dos núcleos.
  • Continuar com os trabalhos de actualização do ficheiro.
  • Melhorar a situação financeira da URAP, melhorando a recolha e actualização da quotização, promovendo iniciativas, angariando donativos e fazendo parcerias com outras organizações e instituições.
  • Lançar uma Campanha de Fundos em tomo dos 35 anos da URAP (aquando da comemoração dos 34 anos da sua fundação).
  • Desenvolver esforços para que a URAP obtenha o estatuto de Organização de Utilidade Pública.

 

2. Actividades

  • Alargar a promoção pela URAP de iniciativas de carácter unitário que contribuam para o conhecimento e divulgação da luta contra a ditadura fascista e a valorização e defesa dos direitos e conquistas da democracia.
  • Assegurar a participação da URAP em iniciativas onde possa defender o carácter democrático e unitário da luta antifascista, tanto no plano histórico como na actualidade.
  • Realizar um Encontro de jovens antifascistas novos sócios URAP e continuar a promover a integração na URAP de jovens antifascistas.
  • Desenvolver actividades promovidas por jovens, que contribuam para desenvolver entre as gerações nascidas já depois do 25 de Abril o conhecimento do que foi a luta contra a ditadura fascista e o valor das conquistas democráticas.
  • Promover em Maio próximo uma visita guiada ao Campo de Concentração do Tarrafal, prestando homenagem aos antifascistas portugueses e aos patriotas africanos ali condenados pelo regime fascista e colonial português.
  • Continuar a promover anualmente no Alto de S. João a romagem ao Mausoléu dos antifascistas mortos no Tarrafal.
  • Procurar as condições para continuar a ter um espaço da URAP na Festa do Avante!
  • Promover excursões a localidades que se destacaram na resistência ao fascismo;
  • Continuar a integrar a Comissão Promotora das comemorações populares do 25 de Abril em Lisboa, procurando alargar essa participação a outros pontos do país.
  • Participar no desfile do l.º de Maio.
  • Promover ciclos de debates em escolas básicas, secundárias e de ensino superior em torno do 25 de Abril e da luta antifascista.
  • No âmbito das comemorações do 35º aniversário do 25 de Abril, editar um Jornal sobre a resistência antifascista dirigido aos jovens.
  • Lançar uma recolha de assinaturas, aquando da comemoração dos 35 anos do 25 de Abril, com vista a aprovar na Assembleia da República uma resolução que valorize a luta e a resistência contra o fascismo em Portugal durante o período entre 1928 e 1974.
  • Desenvolver esforços no sentido de recomendar veementemente ao Governo a preservação do edifício do Tribunal da Boa-Hora e da sua transformação em Museu - símbolo, como é seu direito, da memória e da história do Povo Português e contributo para o conhecimento de futuras gerações.
  • Continuar a dinamizar a luta contra a criação do "museu Salazar" em Santa Comba Dão (Luta que conta com o papel destacado do núcleo da URAP em Santa Comba Dão).
  • Participar com outras organizações na promoção de jornadas em defesa da paz, contra a guerra e pela soberania dos povos.
  • Participar nas comemorações do Centenário da Proclamação da República.
  • Dinamizar e participar em iniciativas que assinalem os 70 anos do início da Segunda Guerra Mundial (no ano de 2009) e os 65 anos do final da Segunda Guerra Mundial (2010).

 

 

3.Informação

  • Continuar a publicar trimestralmente o Boletim da URAP.
  • Melhorar e manter actualizado o sítio da URAP na Internet (www.urap.pt).
  • Editar documentos sobre a situação política nacional e sobre problemas específicos.
  • Tomar posição regularmente, fazendo chegar as notas de imprensa da URAP aos órgãos de Comunicação Social (local e nacional).
  • Tomar posição pública sobre acontecimentos que ponham em causa os direitos e as conquistas de Abril.
  • Procurar assegurar à URAP o direito a Tempo de Antena.

 

4. Museu da Resistência em Peniche

  • Aprofundar a concretização do protocolo assinado entre a URAP e a Câmara Municipal de Peniche.
  • Promover visitas de núcleos da URAP a Peniche, divulgando a exposição que está actualmente patente (75 anos da abertura da Fortaleza de Peniche como prisão política).
  • Continuar a recolher materiais e documentação acerca dos presos de Peniche, sobre a repressão fascista em geral e sobre a luta antifascista, para criação de um Centro de Documentação da Luta Antifascista.
  • Desenvolver esforços que possibilitem a revalorização e requalificação da Fortaleza de Peniche e do museu da resistência.

 

 

5. Relação com FIR e outras organizações internacionais

  • Reforçar as relações e os laços de solidariedade com a FIR (Federação Internacional da Resistência).
  • Participar, mediante as condições financeiras a URAP, em iniciativas internacionais promovidas pela FIR ou outras organizações internacionais de carácter antifascista.
  • Participar no Simpósio internacional sobre o Tarrafal organizado em Abril próximo pela Fundação Amílcar Cabral.
  • Promover a difusão dos temas tratados no Encontro Internacional organizado em 2008 pela URAP e pelo Grupo Confederal da Esquerda Unitária Europeia / Esquerda Nórdica Verde.
  • Promover debates acerca do Campo de Concentração do Tarrafal, tendo em conta as informações a recolher aquando da excursão que se realizará em Maio ao Tarrafal e com a participação no Simpósio Internacional sobre o Tarrafal promovido pela Fundação Amílcar Cabral (também no mês de Maio).
  • Apoiar iniciativas que no plano internacional denunciem o fascismo, o racismo e a opressão e defendam a paz, a democracia, a independência nacional e os direitos humanos.

 

Lisboa, 7 de Fevereiro de 2009