Apelo do 17º Festival Mundial da Juventude e dos Estudantes

logo_17_fmje_extenso"A Juventude sempre foi uma força vital no desenvolvimento das sociedades. Com criatividade, força e vontade de mudança, a luta da juventude pela liberdade, paz, e transformação social, pelo direito à educação, ao emprego e liberdades democráticas sempre teve um importante papel na ampla luta por um mundo justo e pacífico. Isto é demonstrado pelo passado, mas também pelo presente, onde grandes manifestações de estudantes, jovens trabalhadores e jovens em geral que são um enorme factor de resistência contra a exploração, retirada de direitos, a pilhagem imperialista de recursos, racismo, discriminação sexual, colonialismo, fascismo, intervenções militares e guerra, assim como para a sobrevivência do ser humano. Apelamos à juventude para que continue com esta luta.

Num momento em que o imperialismo domina o mundo, no quadro de uma das mais profundas crises do sistema capitalista, a situação da juventude continua a piorar. Isto é visível no aumento do número de jovens trabalhadores desempregados ou com vínculos precários, enquanto que os lucros dos grandes grupos económicos continuam a aumentar. O número de pessoas que resistem também aumenta em todos os países que são vitimas do imperialismo, como em muitos outros sob sanções, bloqueios e ocupações. Esta crise mostra os limites históricos deste sistema e que há potencial para intensificar a luta contra ele, bem como para haver mudanças na correlação de forças a nível mundial. Apelamos à juventude para que adira à luta e resistência contra a exploração dos povos e do ambiente, pela verdadeira satisfação das suas necessidades.

Numa altura em que as forças imperialistas intensificam a militarização do mundo, aumentando as bases militares, competindo entre si por mercados e recursos naturais, aumentando o poder destrutivo e os orçamentos dos seus exércitos, desenvolvendo armas de alta tecnologia e devastando o ambiente provando o seu carácter predatório, o nosso planeta torna-se um local mais perigoso para a juventude viver. Ao mesmo tempo que se fortalecem as estruturas do imperialismo como a NATO, União Europeia, AFRICOM, entre outras, o imperialismo está a cada dia mais agressivo com as organizações progressistas, democráticas e comunistas, o que torna cada vez mais necessário que fortaleçamos a luta pela paz. A intensificação das ofensivas e provocações militares contra os governos progressistas da América Latina e Caraíbas, a perseguição dos movimentos de juventude e dos estudantes na Colômbia e das organizações progressistas e anti - imperialistas do Leste da Europa, com o equiparar do comunismo ao nazismo, os ataques contra a juventude e a UJSario do Sahara Ocidental, os crimes contra a juventude e o povo da Palestina pela ocupação sionista de Israel, patrocinada pelo imperialismo, a ocupação do Iraque e do Afeganistão, a continuação da ocupação de Chipre, a opressão sobre os povos indígenas, entre muitos outros exemplos, demonstram que a tentativa do imperialismo de destruir direitos democráticos não é apenas um acontecimento isolado em um só país, mas antes um dos principais elementos da ofensiva e estratégia imperialistas.

A Juventude lutou, luta e vai continuar a lutar pela educação publica, gratuita, democrática e de qualidade, pelo direito ao emprego com direitos, pelos direitos democráticos, pelo direito ao acesso à saúde, desporto e cultura, pela protecção do ambiente, pela soberania, por uma vida digna, pela amizade, solidariedade e paz entre os povos do mundo. Não existe campanha imperialista, nenhum livro escolar anti - científico, nenhuma indústria cultural, nenhum sentimento nacionalista, preconceito racial, movimento separatista, conflito étnico ou religioso promovidos pelo imperialismo que possam impedir a luta da juventude e de todos os trabalhadores contra a exploração do homem pelo homem de acontecer e ser vitoriosa.

O 17º Festival Mundial da Juventude e dos Estudantes será realizado, tendo um rico passado de experiências de FMJE's, particularmente a experiência do 16º FMJE, realizado em Caracas - Venezuela, em Agosto de 2005, cujo sucesso representa uma grande responsabilidade e esperança para o 17º FMJE, que se realizará em Pretória, África do Sul, em Dezembro de 2010.

O 17º FMJE na África do Sul, afirma e sublinha o carácter anti - imperialista dos Festivais Mundiais da Juventude e dos Estudantes. A firme confrontação com o imperialismo foi o elemento fundamental para a continuação dos FMJE's, com um importante contributo dos países progressistas e socialistas. O carácter internacional, com participação em massa da juventude e dos estudantes, bem como as suas características politico - culturais são elementos que devemos reforçar, juntamente com a solidariedade com a resistência Sul Africana a qualquer tipo de intervenção imperialista, construindo um país multi - cultural e multi -- nacional de paz, soberania e justiça social, agora que a luta corajosa da juventude e do povo sul africano, quebraram as grades do apartheid.

Além disso, organizar o 17º FMJE no continente africano é um sinal de apoio à sua juventude, que luta corajosamente contra as novas vagas do imperialismo, quer sejam na sua expressão militar, implementando bases militares por todo o continente (particularmente o perigoso projecto dos EUA, o AFRICOM) e o crescimento da presença militar na Somália; ou na sua expressão política e económica, tentando forçar todos os países a vergarem-se à sua vontade, punindo com sanções todos aqueles que recusam aceitar este novo tipo de ofensiva neo - colonialista contra os seus países e povos.

O Festival Mundial da Juventude e dos Estudantes é organizado colectivamente e representa os milhões de jovens que lutam por um futuro de paz, sem o imperialismo e as suas estruturas. O seu processo democrático, desde o primeiro momento da sua preparação até à cerimónia de encerramento, é único e deve ser preservado e reforçado, de forma a estar ainda mais ligado às lutas concretas, no dia - a - dia da juventude e dos estudantes, nos países de todo o mundo.

Apelamos a todos os jovens e estudantes progressistas para que se juntem à luta pela paz e contra o

imperialismo, e que trabalhem activamente para fortalecer o 17º FMJE no seu país, e para que participem no Festival, na África do Sul.

Derrotemos o imperialismo, por um mundo de paz, solidariedade e transformação social!

Ao trabalho por um bem sucedido Festival Mundial da Juventude e dos Estudantes na África do Sul."