Intervenção de Marília Villaverde Cabral na atribuição de galardão pela CPCCRD

Intervenção de Marília Villaverde Cabral, coordenadora da URAP, por ocasião da atribuição de galardão à URAP, pela Confederação Portuguesa das Colectividades de Cultura Recreio e Desporto

 

Senhor Presidente,

Senhores Dirigentes da Confederação Portuguesa das Colectividades de Cultura Recreio e Desporto.

Senhores Dirigentes Associativos, Minhas Senhoras e Meus Senhores.

Encarregou-me o Conselho Directivo da URAP – União de Resistentes Antifascistas Portugueses de agradecer o Galardão que muito nos honra e saudar, neste Dia das Colectividades, uma Organização que congrega Associações que datam dos fins do século XVIII, princípios do século XIX e que ao longo dos anos têm dado um contributo inestimável em prol da cultura e da vivência cívica.

Mesmo no período da ditadura fascista, as Colectividades não só mantiveram as suas actividades culturais e recreativas, como até as desenvolveram. Foram também polos de grande resistência antifascista.
Mesmo antes do 25 de Abril, as Colectividades tinham já, na sua vida
Interna, uma prática de democracia e liberdade.

A URAP, nestes 40 anos do 25 de Abril, tem-se esforçado também por dar o seu contributo para que se não esqueça o que foi o fascismo, as prisões , as torturas, mas também do que foi a Resistência. Numa luta contra o esquecimento : para que as jovens gerações saibam que, para termos Hoje Liberdade, muitos homens e mulheres entregaram a sua vida à causa da Democracia. Com uma Exposição e organizando sessões em escolas, temos percorrido o País de Norte a Sul, em colaboração com Professores e Câmaras Municipais. Vamos continuar! Porque os livros escolares e os programas não contam aos jovens o que custou a Liberdade.

Mais uma vez, os nossos agradecimentos pelo Galardão com que, generosamente nos distinguiram, desejando bons êxitos nos vossos trabalhos, que continuam a ser Hoje um valioso elemento de emancipação das populações.

Bem Hajam
Marília Villaverde Cabral

31/05/2014