Declaração da FIR sobre o 70º aniversário da Conferência de Potsdam

conferencia potsdam«A Federação Internacional de Resistentes (FIR) comemora o 70º aniversário da Conferência de Potsdam como o início de um novo período de coabitação dos povos Europa.

 

Prosseguindo o decidido na Conferência de Yalta, depois da derrota militar do fascismo alemão aqui definiram-se os poderes da coligação anti-Hitler e as bases para uma solução pacífica da Europa do pós-guerra. Na Conferência de Potsdam (final de julho / início de agosto 1945) os representantes da Grã-Bretanha, da União Soviética e dos Estados Unidos formularam as condições e princípios da ordem da Europa do pós-guerra, determinando que se devia procurar garantir que nunca mais o fascismo e a guerra deveriam emanar do território alemão.


Os objetivos eram a destruição do potencial militar do fascismo alemão e a construção de uma Ordem Social baseada na desnazificação, desmilitarização, de monopolização e de democratização.

Estes objectivos, também, correspondiam aos defendidos por todas as forças anti-fascistas que lutaram nos seus países pela libertação do fascismo.

 

Com esta decisão regulou-se a reorganização territorial na Europa Central, em particular a linha Oder-Neisse referente à fronteira leste da Alemanha. Decidiu-se a deslocalização das partes maiores da população, que círculos revanchistas (especialmente na Alemanha) denunciam hoje como "Expulsão". No final das negociações, o primeiro-ministro Attlee, o presidente Truman e o General Estaline assinaram como representantes das potências vitoriosas este documento. Este acordo, a que mais tarde se juntou a França, ainda constitui o quadro jurídico da ordem da Europa do pós-guerra.


Mesmo que se tenha de enfrentar que - nomeadamente com o surgimento da Guerra Fria - os aspectos-chave do novo começo anti-fascista não foram implementados, especialmente nas zonas ocidentais, o Acordo de Potsdam permanece para nós como uma organização internacional anti-fascista que até hoje tem uma crucial importância.


Por causa deste Acordo:


assinalou-se o caráter criminoso das organizações e instituições fascistas cuja base jurídica foi posteriormente densificada no julgamento de Nuremberga;


garantiu-se, até hoje, o carácter intocável da fronteira ocidental polaca;


pararam-se desta forma todas as tentativas de grupos revanchistas contra a Polónia e a República Checa;


sublinhou-se a responsabilidade do grande capital, dos bancos e dos monopólios do Reich alemão pelos crimes fascistas e pararam-se todas as tentativas de revisionismo histórico;


definiu-se a estrutura política de uma nova ordem antifascista e democrática, que não foi uma realidade na parte ocidental da Alemanha, mas que deu uma orientação para as actividades antifascistas até hoje - não só na Alemanha.


É o documento da vitoriosa Coligação Anti-Hitler, com base nas fileiras militares dos exércitos e do movimento de libertação antifascista dos povos.


A FIR e as suas organizações afiliadas defendem o ideário do Acordo de Potsdam contra todas as formas de ressurgimento do fascismo e do anti-comunismo, especialmente na Europa Central e Oriental e contra todas as tentativas de distorcer a história da Segunda Guerra Mundial ou que igualam Hitler a Estaline, Fascismo com Socialismo, os assassinos fascistas com as suas vítimas.

 

Os povos da Europa, que - mais do que qualquer outro - pagaram o preço por a guerra imperialista-fascista alemã, não podem aceitar tal distorção da história baseada na falsificação dos factos históricos da guerra.


Comemorar o 70º aniversário do Acordo de Potsdam é comemorar um compromisso dos anti-fascistas de ofensivamente se oporem ao ressurgimento de ideologias e grupos fascistas e a todas as formas de falsificação da história da luta anti-fascista.


Fascismo nunca mais! Guerra nunca mais!»

 

Berlim, 2015/07/28