Evocação Internacional dos "Pogroms" de 1938 e do fim da Primeira Guerra Mundial

primera guerra mundial 1914 1918 1280x720artigo da responsabilidade da FIR - Fédération Internationale des Résistants

 

No início do mês de Novembro, tiveram lugar evocações públicas em vários países europeus pelo 80º aniversário dos "pogroms" contra o povo judaico na Alemanha fascista em 1938. Começando a 7 de Novembro e findando a dia 10, quase 200 sinagogas foram destruídas ou incendiadas, milhares de casas e instalações de judeus foram demolidas, e cerca de 30,000 judeus foram deportados para o campo de concentração de Buchenwald, Dachau e Sachsenhausen.

 

A memória destes crimes racistas é sentida especialmente pelos povos.

As organizações membro da FIR, em diferentes países organizaram marchas comemorativas, concertos e outras iniciativas. A rede UNITED apoia estas iniciativas há vários anos com posters e outros materiais. Novamente, muitos milhares de pessoas participaram nestas iniciativas e evocações.

 

Este ano, governos também comemoraram este aniversário com momentos nos parlamentos e com comunidades judaicas. A Chanceler Alemã, Ângela Merkel, apontou que não deve ser aberto espaço ao antissemitismo na sociedade. No entanto, ao mesmo tempo, os tribunais administrativos de Berlim aprovaram uma marcha neo-nazi pela "Capital Imperial" a 9 de Novembro – a pretexto de uma "marcha fúnebre à queda do muro", mas com slogans e bandeiras xenófobas. Foram destacados 1200 agentes da polícia para proteger os cerca de 150 neo-nazis. Vários milhares de antifascistas berlinenses opuseram-se a esta provocação fascista, declarando que "O Fascismo e o Antissemitismo não são opiniões, são crimes."

 

No mesmo dia, o Bundestag (Parlamento) Alemão também evocou os eventos ocorridos há 100 anos, quando o Imperador Alemão abdicou devido à insurreição dos concelhos de marinheiros, trabalhadores e soldados e Philipp Scheidemann proclamou a República Alemã. Ao mesmo tempo, decorreram, e ainda decorrem, numerosas acções e iniciativas da população para comemorar a Revolução de Novembro na Alemanha, que foi um tentativa de desenvolver uma via de esquerda para a Alemanha. Esta Revolução foi esmagada de forma sangrenta pelo militarismo imperial, em conjunto com uma maioria do SPD (Partido Social-Democrata Alemão). Os Freikorps já na altura usavam nos seus capacetes a suástica quando a esmagavam, já um presságio do posterior regime fascista alemão.

 

A nível internacional o 100º Aniversário do fim da Primeira Guerra Mundial é comemorado. Uma cerimónia internacional, com representantes dos países intervenientes, tem lugar em Paris a 11 de Novembro. Na preparação do evento o Presidente Francês, Macron, achou que deveria igualmente homenagear Philippe Pétain como o "Herói de Guerra da 1º Guerra Mundial".


Esta acção levou a uma onda de indignação por parte das associações veteranos franceses e dos antifascistas. A imagem do antigo Marechal está eternamente ligada ao seu papel de fiel colaborador com os representantes do Regime de Vichy. Pétain apoiou a luta dos ocupantes alemães contra os resistentes franceses, que lutavam pela liberdade do seu país, e ajudou activamente à deportação de judeus franceses para campos de concentração e extermínio. Foi condenado à morte por estes crimes em 1945, sendo mais tarde a pena diminuída para prisão perpétua.

 

A FIR sublinha: A memória do final da 1º Guerra Mundial não pode andar a par com a reabilitação de colaboradores e criminosos de guerra.