Núcleo de Santa Iria de Azóia conversa sobre livro "O Limite da Dor"

No Limite da Dor Nucleo Santa Iria s1O livro "O Limite da Dor", de Ana Aranha e Carlos Ademar, serviu de base para uma sessão-debate organizada, dia 27 de Novembro, pelo núcleo de Santa Iria de Azóia na Casa da Cultura, com a presença dos autores.


Para a sessão, que foi dirigida por Luís Figueiredo, do núcleo de Santa Iria de Azóia, foi convidado o ex-preso político Domingos Abrantes, e Marcelo Teixeira, representante da editora Parsifal, que lançou o livro em 2014.


Baseado no programa homónimo da Antena 1, "No Limite da Dor" é um tributo à coragem de todos os lutadores que passaram pelas cadeias fascistas, que foram torturados e sujeitos a muitos dias e noites sem dormir, enfim, vítimas da barbárie das polícias de Salazar e de Caetano.

 


No Limite da Dor Nucleo Santa Iria s2Este livro é um testemunho vivo, mas é também uma homenagem a todos os homens e mulheres que, tendo descido aos infernos, permaneceram íntegros, não permitindo que lhes fosse roubada a crença num ideal de justiça e de liberdade, pelo qual lutaram heroicamente.


Os entrevistados, no programa radiofónico e no livro, são pessoas de diferentes formações políticas: do PCP à FAP, passando pelo MRPP e pelos Católicos Progressistas, muitos dos quais membros da URAP.

Todos, cada um à sua maneira, queriam um país livre e melhor. Falam dos sofrimentos, dos medos, mas também da coragem que sentiram na época e da forma como têm vivido e convivido com este passado.


O livro que deu origem à sessão, com a participação de meia centena de pessoas, é um documento histórico singular, uma obra importante para se conhecer melhor uma página negra do passado recente de Portugal.

Para que a História não se repita. Nunca mais.