Ministério da Cultura criou comissão de instalação do futuro museu no Forte de Peniche

peniche celasO futuro Museu Nacional da Resistência e da Liberdade, situado no Forte de Peniche, deverá ser inaugurado dia 27 de Abril de 2019, após obras que se iniciarão já este ano, que obrigarão ao encerramento da Fortaleza.

 

Para o efeito, foi criada a Comissão de Instalação dos Conteúdos e da Apresentação Museológica (CICAM) do futuro museu, dando cumprimento à resolução do Conselho de Ministros n.º 73/2017, de 5 de Junho.

 

Em comunicado enviado à imprensa, dia 15 de Janeiro, o gabinete do ministro da Cultura comunicou que a CICAM tem como missão propor os conteúdos do programa museológico do futuro museu, já apresentado em sede de candidatura ao Programa Portugal 2020. À CICAM compete igualmente sugerir linhas de orientação acerca da respectiva apresentação museográfica, em linha com a história da Fortaleza de Peniche desde a sua construção e a preservação da memória da sua história recente nos contextos da resistência à ditadura e na luta pela democracia.

 

O gabinete de Luís Filipe Castro Mendes informou ainda que a CICAM será composta pelo presidente da Câmara Municipal de Peniche, Henrique Bertino; pela directora-geral do Património Cultural, Paula Silva, que preside, detendo voto de qualidade; pelo chefe de gabinete do ministro da Cultura, Jorge Leonardo; e pelas seguintes individualidades: Adelaide Pereira Alves; Domingos Abrantes; Fernando Rosas; José Pedro Soares; Manuela Bernardino; Raimundo Narciso; e João Bonifácio Serra, conforme designação da Câmara Municipal de Peniche.

 

A CICAM deve apresentar as suas propostas até ao dia 27 de Abril de 2018 a fim que o museu possa ser inaugurado um ano depois.

 

Para a URAP, a inauguração do museu, que deverá contar a história da fortaleza e da resistência, deve ser marcada por um dia de festa, uma grande festa da resistência.

 

O forte, que inicialmente constava da lista de 30 edifícios que o governo queria concessionar a privados, vai finalmente tornar-se no Museu Nacional da Resistência e da Liberdade graças à luta dos democratas e antifascistas portugueses. Lembremos, entre outras acções, o encontro-convívio de 29 de Outubro de 2016, no Forte de Peniche, onde cerca de 600 pessoas, muitas das quais ex-presos políticos, aprovaram o "Apelo ao Governo em defesa da Fortaleza de Peniche símbolo da repressão e da luta contra o fascismo".