Na morte de Júlio Pomar

Julio PomarArtista plástico, militante activo contra a ditadura, democrata e cidadão íntegro, Júlio Pomar morreu hoje em Lisboa aos 92 anos.


Júlio Pomar nasceu a 10 de Janeiro de 1926, em Lisboa, cidade onde frequentou a Escola António Arroio e depois a Escola de Belas Artes de Lisboa e do Porto, que abandonou em 1944 na sequência de um processo disciplinar. Expôs pela primeira vez, em grupo, em 1942, em Lisboa, e individualmente, em 1947, no Porto, onde apresentou desenhos.

 

No período pós II Guerra Mundial, Júlio Pomar foi influenciado por escritores neo-realistas como Alves Redol e Soeiro Pereira Gomes e por artistas plásticos como o pintor brasileiro Portinari ou os muralistas mexicanos Diego Rivera, Orozco e Siqueiros, usando a arte como forma de intervenção sócio-política.


Integrou o Movimento de Unidade Democrática (MUD) e participou nas lutas estudantis, o que lhe custou a expulsão da ESBAP e, em 1945, filiou-se na Juventudes Comunistas. Foi preso pela PIDE durante quatro meses na década de 40 por pertencer à direcção do MUD- Juvenil e viu a apreensão de um dos seus quadros pela polícia política e a ocultação dos frescos de mais de 100m2 realizados para o Cinema Batalha no Porto. Permaneceu em Portugal até 1963, ano em que fixou residência em Paris, num exílio que durou 20 anos.


Em 1945 dirige a página semanal de arte do diário A Tarde (Porto), onde divulga o trabalho dos muralistas mexicanos. Nos anos que se seguem colabora com críticas e textos de intervenção estética em revistas como Mundo Literário (1946-1948), Seara Nova, Vértice e Horizonte.


Em 1949 é afastado do lugar de professor de desenho no ensino técnico devido à sua participação na candidatura presidencial de Norton de Matos.
Além da vastíssima obra de pintura, desenho, escultura, cerâmica e gravura, Júlio Pomar escreveu "Catch Thème et Variation", "Discours sur la Cécité du Peintre", "...Et la Peinture?", os dois últimos traduzidos por Pedro Tamen com os títulos "Da Cegueira dos Pintores" e "Então e a Pintura", e duas colectâneas de poesias "Alguns Eventos" e "TRATAdoDITOeFEITO".


Júlio Pomar instituiu em 2004 uma Fundação com o seu nome. Em Abril de 2013 foi inaugurado o Atelier-Museu Júlio Pomar, criado pela Câmara Municipal de Lisboa, em edifício que adquiriu em Lisboa, reabilitado pelo arquitecto Álvaro Siza Vieira.